Novidades

✍Entrevista à autora MBarreto Condado: 'A Fivela de Aker'



Mal o JEdLP conseguiu parceria com a Capital Books, foi-nos indicado um nome. Apenas um nome: MBarreto Condado. Mas quem seria esta misteriosa escritora? Qual seria o nome que se escondia por detrás do M.? E a obra de que nos haviam falado, A Fivela de Aker, seria sobre o quê? 

Após o e-mail enviado recebemos a amável confirmação de que haveria entrevista, e, para nosso deleite, descobrimos que o nome desta maravilhosa autora é Madalena e que A Fivela de Aker é o segundo volume ainda por vir de uma saga de fantasia chamada A Profecia do Sangue. 

Nesta entrevista, a mágica MBarreto Condado falou-nos da sua saga, do primeiro volume desta (Yggdrasil), do segundo que ainda está por vir e partilhou connosco as suas memórias. 




✍✍✍






☞ Excelentíssima Madalena, antes de mais, muito obrigada por ter aceitado esta entrevista. É com imenso prazer que o JEdLP a recebe a si e às suas maravilhosas obras de fantasia no site! Quando me revelou que a Fivela de Aker seria o segundo volume da saga Profecia do Sangue, confesso ter ficado — como se costuma dizer — de queixo caído. Afinal… ainda somos um projecto em crescimento e pelo que pude ver no seu site oficial, a Madalena já é uma escritora que enfeitiçou bastantes corações. 

Conte-me então, para começar, quem é a escritora MBarreto Condado? 

Sou curiosa e impulsiva por natureza, nunca paro de me questionar. Sinto um prazer indescritível por poder contar estórias mas principalmente por conseguir transportar quem as lê para estes meus mundos alternativos, onde tudo é possível, onde tudo nos é permitido, onde deixo sempre uma grande parte de mim. 

Fica aqui a promessa de que agora que comecei não irei parar, ainda tenho muito para dizer, aventuras para contar neste vasto mundo da literatura fantástica e não só. Mas, como costumo dizer, se é para dar asas à imaginação contem comigo.



☞ Agora que já conheço a escritora, gostaria de conhecer a história. Fale-me um pouco sobre a saga Profecia do Sangue. O que é que a levou a escrever sobre a família MacCumhaill? Que tipo de mundo fantástico podem esperar os novos leitores? Eu li numa das muitas críticas positivas que lhe teceram, que existem fadas e dragões, e seres tenebrosos. É verdade? 

Yggdrasil surgiu muito naturalmente depois de uma viagem que fiz a Dublin com um grupo fantástico de amigas. Depois de acharmos que já não havia mais nada a ver nesta misteriosa cidade e tendo ainda alguns dias livres, resolvemos visitar Glendalough nas montanhas de Wicklow, um local repleto de magia, onde se passa a acção da saga “Profecia do Sangue”, e onde podemos realmente acreditar que ao virar de uma qualquer esquina podemos encontrar um dos irmãos MacCumhaill.

Infelizmente, não foi o que aconteceu. Em Yggdrasil vamos conhecer Maria uma jovem portuguesa de dezassete anos que poderia ser qualquer uma de nós, tem a possibilidade de ir estudar para Dublin onde conhece a família MacCumhaill. A partir daqui vamos assistir ao nascer da paixão entre ela e o irmão mais velho Rhenan, que nos vai absorver em muitos momentos do livro, nas eloquentes palavras de Rhenan podemos sentir a sua devoção por Maria: “...Esperei por ti, várias vidas sem antes te encontrar, Definhei sem te poder amar, Agora que te encontrei, entrego-me a ti,...”

Apresento a imortalidade como uma garantia e a magia como uma certeza. E com o decorrer da trama vão aparecendo novas personagens, novas situações, novas lembranças. As Fadas não são tão boas como poderíamos imaginar, os seres do submundo sendo maus em vida não melhoraram após a sua semi-morte. Temos amor fraternal, amor verdadeiro, amor carnal, lutas, mortes, mistério e uma busca constante pela felicidade há tanto tempo esquecida.

O sangue é o que os une e o que lhes garante a sua imortalidade. E esse sangue é uma dádiva do dragão Surt. Mas será na “Fivela de Aker” que perceberemos o porquê dessa ligação, aqui iremos conhecer um pouco mais Surt e da sua ligação a esta família apesar de ainda não ser conclusivo. Isso ficará para um outro volume da saga.

A profecia do sangue será composta por cinco livros. Achei que cada um dos irmãos MacCumhaill bem como a prima Maeve mereciam ter um momento que fosse só seu. E agora é só esperar... 



☞ Como classificaria a sua obra dentro dos subgéneros da fantasia?

É uma fantasia romântica, sem esquecer sempre o meu toque pessoal. Quem me conhece na intimidade costuma frequentemente associar-me a algumas das minhas personagens. Fico feliz pois todas elas têm um pouco de mim. Se calhar deveria alterar para Fantasia Romântica MBC. 



☞ No site Goodreads descrevem o livro Yggdrasil — para quem não sabe, o primeiro volume desta sua bela saga publicado pela Chiado Editora — como «um primeiro tomo que indica que a saga tem tudo para ser um enorme sucesso». E em determinados blogues descrevem a sua narrativa como «cativante» e salientam o seu «capricho» ao ligar diversos pontos da história. Como é que se sente ao ler coisas deste género? Qual é a sensação? E sobre a Fivela de Aker… acha que terá uma repercussão nos leitores ao nível da que Yggdrasil teve?

Tenho tido uma excelente resposta a Yggdrasil aproveito por isso para agradecer a quem o leu as reacções fantásticas que me fazem chegar. Deixa-me realmente exultante ver que as pessoas se acabam por identificar com algumas das personagens, das situações por elas vividas, que acabam por se apaixonar por uns mais do que por outros pelos motivos mais dispares. Isto agrada-me sobremaneira. 

Em relação à Fivela de Aker penso que terei uma reação similar, afinal quem leu e inevitavelmente se acabou por apaixonar pelos MacCumhaill, agora tem a curiosidade mais aguçada para saber o que vai acontecer a seguir. 



☞ Eu pedi-lhe que me falasse da saga e do primeiro volume, mas ainda não lhe perguntei o que, muito provavelmente, diversos leitores estão ansiosos por saber: o que é que nos espera na Fivela de Aker?

Em Yggdrasil ficaram muitas questões por responder e na Fivela de Aker teremos a resposta a algumas delas. 

Aqui vamos conhecer novas personagens que vêm para os ajudar a pedido da Deusa e de Avalon, da Roménia da parte do tio deles, Vlad Tepes. Chegam para reforçar as suas defesas contra o mal que se acerca dos limites de Yggdrasil. 

Vamos viajar para a Roménia, para a República Checa. 

Descobrimos locais dentro de Yggdrasil desconhecidos até então para Maria e escondido dos olhares da família por artes mágicas.

Maria vai ter uma revelação pela qual não esperava que irá explicar o porquê de ser ela a escolhida. 

Mas neste volume Maeve vai encontrar finalmente a felicidade nos braços do seu verdadeiro amor.

E muito, muito mais...



☞ Será que a escritora MBarreto Condado pode deixar escapar um pouco da sua magia e dar ao JEdLP algum tipo de informação exclusiva sobre a obra que está por vir para que possamos enfeitiçar ainda mais os leitores?

Posso acrescentar que chega uma ajuda preciosa que só deveria aparecer no terceiro volume mas que achei importante para os acontecimentos que se desenrolarão no final deste livro surgir um pouco mais cedo. 

E teremos ainda a morte de uma personagem muito importante. Espero que os leitores me perdoem por o fazer mas garanto que tudo tem um significado e esta morte não será excepção. 



☞ Deixemos os livros de lado! Agora gostaria que me falasse de algo muito diferente. Gostaria que me falasse da Madalena. Não da escritora, nem da mulher adulta. Mas sim da menina. Quem foi a Madalena? Qual é a sua história? Quais foram os seus sonhos e as suas maiores alegrias? O que a levou a escrever fantasia? Quem a inspirou? O que levou a Madalena a deixar Moçambique e a vir viver para Lisboa? Fale-me de tudo isso. Fale-me do seu ‘amadurecimento’. Abra o coração aos leitores e revele a pessoa que se esconde por detrás das palavras. E não se sinta inibida. Não poupe nas palavras, pois tenho a certeza de que todos os que lerão isto terão interesse em conhecer a pessoa fantástica que a escritora MBarreto Condado é.

Nasci em Moçambique, sou filha única, e vim cedo para Portugal onde sempre vivi. Estudei num colégio católico onde criei uma relação de fantástica irmandade com as minhas colegas de então com quem mantenho essa relação até hoje. 

Desde que me lembro adoro entreter quem me rodeia com estórias inventadas por mim. E pude contar sempre com o apoio incondicional da minha avó materna, a minha verdadeira fonte de inspiração e coragem. Sendo também ela uma voraz leitora desde cedo me incentivou para que lesse a partir dai para mim começar a escrever foi a sequência lógica. Sou uma apaixonada e seguidora da religião Wicca bem como da mitologia Nórdica e céltica. Mas somente no ano passado é que achei que chegara finalmente a altura de perder os medos e deixar que outros lessem o que escrevo, da decisão à publicação foi muito rápido. E aqui estou eu. 

Hoje vivo em Lisboa na companhia do meu marido, do meu filho bem como da minha extensa família animal. Adoro ler, animais, viajar, gelado de café, o som da chuva, o cheiro da terra molhada, o mar, a companhia da Lua, o escuro, estar viva, mas acima de tudo adoro escrever. 

Adoro o contacto com os meus leitores, as sugestões e críticas que me fazem, penso que só assim consigo crescer e melhorar. E gostava que soubessem que tenho sempre a minha porta aberta para trocar ideias com quem o queira fazer. 

Acredito que os meus livros são uma continuação de mim mesma e que ainda tenho muito para dar.

Gostava de aproveitar esta oportunidade para lhe agradecer o seu contacto, as suas perguntas, a sua simpatia e a oportunidade de me ajudar a chegar a um maior número de pessoas.

Até breve!



☞ Minha excelentíssima escritora… eu é que devo de dizer… muito obrigada! Agradeço-lhe pelo tempo e amabilidade; pela paciência para responder a todas estas minhas perguntas. Desejo-lhe tudo de melhor para a sua carreira e espero repetir isto no futuro, com uma outra obra… com uma MBarreto conhecida internacionalmente! 

Um abraço e votos de muito sucesso!



© 2016, Raquel C. Vicente e JEdLP

Sem comentários